Escolha uma Página

Flavita

Há tempos esta história estava na minha cabeça, esperando para ser escrita.  É um história real, infelizmente. Não de todo. Tampouco minha memória é confiável. Mas há algo que eu sinto bem real: uma sensação de remorso. Eu nunca fui o cara do bullying, pelo contrário....

Vinho

Vem de repente à minha boca a saudade do seu beijo.

Cabresto

Não me peça freio O meu caminho eu abri a dentadas rasgando panos, cordas e travesseiros! E quem, agora, terá a audácia de me dizer: -- Calma aí, não é bem assim...

Prefácio

Estes poemas foram agrupados neste livro para que eu me livrasse deles. Não suporto mais estas presenças incômodas, os eternos "reescrever". São como filhos na idade de sair de casa. Deixo-os partir com alívio e com orgulho e também com medo. Sempre terei que...

Guerras Contidas – capa

Guerras Contidas é um livro de poesia visual e textual escrito em 2007. De forma anárquica, os poemas abordam temas políticos, filosóficos e sentimentais, pendendo entre uma euforia jovem e a perspectiva depressiva dos tempos digitais.  

Recomendações para a leitura

As páginas amarelas, LEIA com uma garrafa de cerveja.As páginas vermelhas, DECLAME com uma taça de vinho.As páginas cinzas, AMARGUE com um copo de uísque.Nas páginas negras, GRITE com uma garrafa de coquetel molotov!

Ano 3 do pós-Golpe

Penso muito em escrever sobre os absurdos e assombros do Brazil pós-Golpe. Mas o problema não se trata apenas do exército dos robôs conservadores, mas principalmente da asfixia do cansaço extremo, advindo da esmagadora pressão de existir no extremo-capitalismo....

Erick e o nada

Erick e a solidão

Será que a solidão realmente tem a ver com vazio e silêncio? Erick sempre valorizou a solidão porque no silêncio conseguia ouvir melhor os barulhos da sua cabeça. Ainda que gostasse das conversas longas, das festas ou da mesa do bar, através de momentos solitários...

Erick e o nada

Erick e o nada

Aproveitando as últimas horas do domingo para postar mais um trecho da saga de Erick. Para quem não leu as primeiras partes, coloquei os links abaixo. Ainda tem mais alguns tantos capítulos aguardando tempo para uma revisão mínima. Mas Erick também não está assim com...

Capítulo 3 – Erick e o besouro

Capítulo 3 – Erick e o besouro

Erick saiu para caminhar naquela noite intranquila. Queria ver as estrelas, mas o céu estava todo negro. Sua primeira constatação foi de que não é possível forçar o amor a acontecer. Essa foi apenas a pequena abertura, sabia que a noite toda sua cabeça seria tomada...

outros textos

Flavita

Há tempos esta história estava na minha cabeça, esperando para ser escrita.  É um história real, infelizmente. Não de todo. Tampouco minha memória é confiável. Mas há algo que eu sinto bem real: uma sensação de remorso. Eu nunca fui o cara do bullying, pelo contrário....

Ano 3 do pós-Golpe

Penso muito em escrever sobre os absurdos e assombros do Brazil pós-Golpe. Mas o problema não se trata apenas do exército dos robôs conservadores, mas principalmente da asfixia do cansaço extremo, advindo da esmagadora pressão de existir no extremo-capitalismo....

Erick e a solidão

Será que a solidão realmente tem a ver com vazio e silêncio? Erick sempre valorizou a solidão porque no silêncio conseguia ouvir melhor os barulhos da sua cabeça. Ainda que gostasse das conversas longas, das festas ou da mesa do bar, através de momentos solitários...

Erick e o nada

Erick e a solidão

Será que a solidão realmente tem a ver com vazio e silêncio? Erick sempre valorizou a solidão porque no silêncio conseguia ouvir melhor os barulhos da sua cabeça. Ainda que gostasse das conversas longas, das festas ou da mesa do bar, através de momentos solitários...

Erick e o nada

Erick e o nada

Aproveitando as últimas horas do domingo para postar mais um trecho da saga de Erick. Para quem não leu as primeiras partes, coloquei os links abaixo. Ainda tem mais alguns tantos capítulos aguardando tempo para uma revisão mínima. Mas Erick também não está assim com...

Capítulo 3 – Erick e o besouro

Capítulo 3 – Erick e o besouro

Erick saiu para caminhar naquela noite intranquila. Queria ver as estrelas, mas o céu estava todo negro. Sua primeira constatação foi de que não é possível forçar o amor a acontecer. Essa foi apenas a pequena abertura, sabia que a noite toda sua cabeça seria tomada...

LIVROS PUBLICADOS

2007

Poemas anárquicos sobre política, filosofia e paixões; pendendo entre uma euforia jovem e a perspectiva depressiva dos tempos digitais.

2013

Amor, saudade, orgulho, desespero e tudo que sobra quando acaba uma história de amor.

2015

Livro infantil que aborda cooperação e a valorização das diferenças.

Autor

Cristian Cobra autor dos livros Guerras Contidas (poemas, 2007), Tempestade Me Lembra Você (romance, 2013) e Morto Vivo (infantil, 2015). – saiba mais